Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Brasileiros ainda pagam a maior taxa média no cartão de crédito em relação a outros países

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira, mesmo com a queda dos juros básicos da economia – que estão no seu menor patamar histórico -, os brasileiros ainda pagam a maior taxa média no cartão de crédito. Levantamento em nove países – Argentina, Chile, Colômbia, Peru, Venezuela, México, EUA e Reino Unido, além do Brasil – mostrou que o país cobra 238,30% ao ano.  O número é mais de quatro vezes o registrado pelo Peru, o segundo colocado, com taxa de 55%, muito próxima aos 54,24% do Chile.

A Argentina é o quarto país com a maior taxa, de 50%, seguido por México (33,8%), Venezuela (33%) e Colômbia (29,23%). Nos EUA e no Reino Unido, a taxa é muito inferior, de 16,89% e 18,7%, respectivamente. O estudo incluiu dados da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), da Proteste e dos sites Index Credit Cards e Money Facts, dos EUA e Reino Unido, respectivamente.

“É um absurdo a diferença de taxa de juros. Não tem justificativa, nem mesmo a inadimplência”, diz a economista da Proteste Hessia Costella.

Inadimplência e juros

Nem a redução da taxa básica de juros da economia teve impacto nos juros médios do cartão de crédito, que se mantêm inalterados em 238,30% anuais desde fevereiro de 2010.

– A taxa de 238,30% ao ano é elevadíssima, para não dizer absurda ou irreal – afirma o educador financeiro Mauro Calil.

Segundo o Banco Central (BC), a inadimplência no cartão de crédito chegava a 28,10% em julho ( atrasos com mais de 90 dias), contra média de 7,9% no crédito para a pessoa física. O volume movimentado no rotativo em julho, diz o BC, foi de R$ 37 bilhões.

Juros do cartão: Com record, Brasil tem taxa média de 238% | Jornal Correio do Brasil


Brasil Progresso:

O Brasil ainda é um país de faz de conta. Os alardeios sobre desenvolvimento são exaltados como se o Brasil estivesse com economia e qualidade de vida dos suíços.

O povo está endividado, muitos moram nas sarjetas, ou quando moram estão localizados em áreas de risco, o salário mínimo não dá para o cidadão trabalhador brasileiro viver dignamente, o transporte público brasileiro é um dos piores do mundo onde as pessoas são “enlatadas” em metrôs, ônibus e trens.

O pior é dizer que o Brasil é exemplo mundial. De quê? O crescimento econômico no Brasil está sendo exemplo em decorrência da crise, da “bolha” que houve nos EUA e desencadeou a crise mundial. Senão fosse isso o Brasil ainda seria visto como uma país onde há selvagens, crocodilos e bárbaros.

O populismo está em voga, a geração atual não sabe o que é populismo, mas quem tem mais de setenta anos de idade sabe muito bem o que é, ou pode ser pessoa que lê e goste sobre política.

Exaltam-se feitos como se o Brasil esteja uma maravilha: o salário mínimo atende todas as necessidades básicas do cidadãos; os hospitais públicos atendem satisfatoriamente os doentes, e estes saem tranquilos e curados; os transportes públicos são magníficos e os trabalhadores não perdem tempo em filas e não ficam em pé nas escadas das lotações; cada cidadãos indiferente da camada social tem sua residência própria, em local seguro, com esgoto canalizado, ruas asfaltadas; todos os brasileiros são alfabetizados e não existem os analfabetos funcionais; os professores são remunerados honrosamente e não são hostilizados, espancados por policiais quando aqueles fazem greve (que greve? Os professores ganham bem no Brasil, afinal estamos no País das Maravilhas) por reivindicarem melhores salários e ambiente de trabalho seguro, higiênico; não há Ficha Limpa já que todos os políticos do Brasil não furtam o dinheiro suado do povo; o esgoto sanitário no Brasil é 100% (cem por cento) tratado e, consequentemente, os lençóis freáticos, que possuem água doce, não estão contaminados, poluídos; não há falta de energia elétrica, os apagões, pois todos sabem economizar energia elétrica (o que diga sobre os prédios públicos onde as luzes estão apagadas durante o dia quando não há necessidade; acreditou?); há segurança pública e qualquer cidadão brasileiro pode transitar despreocupado por onde quiser; os presidiários não fogem dos presídios; cidadãos presos recebem tratamento humano, as dependências dos cárceres são higiênicas e existe a ressocialização dos detentos; os policiais são bem remunerados e não têm medo dos traficantes (e dos políticos corruptos).

palhaco10

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..