Nossos livros digitais: Direito do consumidor, sociologia, política etc. Amazon [clique aqui para acessar], um dos sites mais conceituados em livros digitais. Os livros são de minha autoria.


POLÍCIA FEDERAL: SAIBA COMO DENUNCIAR. ACESSE AQUI.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Novela Lado a Lado mostra a cultura da superioridade

image

Brasil Progresso – A Rede Globo de TV tem exibido a novela Lado a Lado com belíssimas cenografias, figurinos. Em especial a esta matéria está uma das atrizes que tem vários fãs no Brasil. Patrícia Pillar (foto) interpreta a burguesa Constância Assunção com seu temperamento dominador e ideologias de uma época onde a pessoa valia pelo nome e sobrenome – e cor também.

Um período da história brasileira onde as pessoas valiam algo pelo possuíam, assim como cor, profissão, nome e sobrenome. As elites brasileiras, ou grande maioria da elite brasileira daquela época, consideravam os negros como serviçais eternos. A mulher, da elite, era criada para servir o homem e aí daquela que não fosse casada, não tinha filhos no matrimônio. O nome e sobrenome tinham consideradas importâncias capazes de proporcionar inúmeros benefícios seja na justiça, emprego etc. – não é algo que se possa dizer inexistente no Brasil do século XXI, pois pessoas com elevados patrimônios têm mais privilégios, queira ou não, do que os financeiramente precários; é só ver a maioria que fica nas prisões brasileiras, muitas, esmagadoramente, são cidadãos de baixa renda, que não podem pagar fianças, ou não podem contratar equipes de advogados para conseguirem Habeas Corpus.

Mudou Muito de lá para cá? Nem tanto.

1) Vai preso que não tem dinheiro para pagar fiança, quando assim a lei determinar (liberdade mediante pagamento).

2) Os presídios estão superlotados com cidadãos de baixa renda – cito fato para colaborar (já coloquei em outras matérias): madeireiro estava solto, pois os advogados entraram com vários recursos que emperraram a justiça, enquanto isto, não muito longe, um homem (morador da região) fora preso pelos fiscais do IBAMA quando estava tirando uma pequena lasca de uma árvore para fazer chá para a esposa doente. Por não ter condições de pagar fiança ficou preso, e se tivesse, não conseguiria pagar equipes de advogados (escritório de advocacia) para que estes conseguissem a extinção da punibilidade (como no caso do jogador Edmundo).

3) A corrupção penitenciária – quem tem dinheiro pode comprar passes, de forma a sair para uma noitada ou bordel; pior é ver festa em delegacia.

4) Apesar dos avanços do sexo feminino quanto às igualdades de direitos, as mulheres ainda ganham menos que os homens; o homem pode sair com várias mulheres, pois é garanhão, já a mulher é considerada messalina; mulher que galga altos cargos em empresa é vista como “comidinha de patrão”.

5) Boa parte dos negros ainda mora em morros e condições precárias de saneamento.

6) Cidadãos que possuam conhecidos nos setores públicos conseguem vantagens sejam em processos, escrituras, alvarás etc.

7) As diferenças sociais ainda são enormes: pessoas ricas estão mais ricas, e os pobres, agora, pelo menos, não são mais subnutridos – mas ainda moram em habitações sem quaisquer condições de saneamento básico, ruas asfaltadas, segurança pública.

8) O esgoto sanitário ainda é luxo para poucos já que setenta por cento é jogado nos lagos, rios e praias sem tratamento.

9) Não há empregos suficientes para os brasileiros. Muitos trabalham nas ruas como camelôs (sem licença da prefeitura) – que por sinal são pessoas de baixo poder aquisitivo econômico e, claro, maioria negra.

Enfim, são tantas as comparações que poderíamos dizer que vivemos no passado. Algumas mudanças nas leis, claro, como “homens e mulheres possuem direitos iguais”, direito de não ser torturado – que maior tortura que ganhar salário mínimo e não poder pagar em dia todas as contas? Tudo bonito, mas só impressos.

Imprima ou salve em PDF

Sobre o Autor:
Humanista que contribui para a efetiva aplicação do artigo 3°, da CF/1988; (objetivos fundamentais), do artigo 5°, da CF; (Direitos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana), do artigo 37 (princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; principalmente sobre a moralidade administrativa) da Constituição Federal de 1988; e Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos e Garantias Fundamentais da Pessoa Humana dos quais o Brasil é signatário. NÃO HÁ DIGNIDADE HUMANA NUMA NAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO POVO NÃO TEM QUALIDADE DE VIDA SEJA POR: SALÁRIO MÍNIMO QUE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES BÁSICAS (art. 7°, IV, da CF); ESCASSEZ OU AUSÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA (art. 144, da CF); SERVIÇOS PÚBLICOS INEFICIENTES (LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995); IMORALIDADE DOS AGENTES POLÍTICOS (LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992); DOENÇAS PROVOCADAS POR PRECARIEDADE NA INFRAESTRUTURA DE SANEAMENTO BÁSICO (LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007); OMISSÃO, NEGLIGÊNCIA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS QUANTO AO USO INDISCRIMINADO DE AGROTÓXICOS NA ALIMENTAÇÃO HUMANA (LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989); VOTAÇÃO SECRETA DE PARLAMENTARES PARA ABSOLVER AGENTE POLÍTICO CORRUPTO..